Tiros - Era Uma Vez

Era uma vez marca o início de um discurso narrativo cuja ordem das palavras é sequencial e autogerada por um certo movimento ordenado, pré-ordenado. Na história existe uma série de acontecimentos e é nesta sua interligação de causalidade e de efeito que se apresentam e representam os efeitos mais expressivos da narrativa, já então imaginada, recriada e transformada. Não só por quem a dá a conhecer mas, igualmente, por quem a recebe e, sequencialmente, domina, movimenta e desordena o que uma vez foi, para ser de novo, o que uma vez era e, repetidamente, o deixou de ser, em série.

Um
Era o rio, o teu corpo e uma árvore.

Dois
A água do rio move-se e tu observas.

Três
À sombra de uma árvore, esperas e permaneces.

Quatro
Reparas ao longe, bem longe, numa casa, duas e mais.

Cinco
Aproximas-te do rio sem deixar a sombra da árvore.

Seis
O movimento da água cria uma sequência harmoniosa de sons.

Sete
O teu corpo deixa a sombra da árvore e continua seguindo.

Oito
Caminhas com a água do rio, uma árvore e uma casa, duas e mais.

Nove
Era uma vez o rio, uma árvore e tu que os transformaste.

Susana Vilas-Boas

A mostrar todos os 10 resultados